fbpx

Dicas para arrasares na tua entrevista

dicas

Faz upgrade à tua comunicação não verbal

Tens uma entrevista e não sabes como te podes destacar perante o entrevistador? Continua a ler para saberes como o podes fazer!

Como podemos passar uma boa primeira impressão ao entrevistador?

Em média, demoramos entre 3 a 5 segundos a criar uma primeira impressão acerca de outra pessoa.

Quando o entrevistador se aproxima de nós, o seu primeiro pensamento será associar o nosso aspeto ou forma de vestir a outras pessoas que já conheça. Como queremos transmitir uma imagem de adequação dentro da empresa, o nosso aspeto deve ser semelhante ao de quem já lá trabalha. No entanto, caso a nossa imagem não seja a mais adequada, é possível compensá-la com uma boa comunicação.

Após o primeiro contacto visual com o entrevistador, é necessário ter em atenção os comportamentos não verbais que vamos transmitir. Através deles, o entrevistador vai decidir se somos alguém que vale ou não a pena ser ouvido. A mensagem que queremos passar é a de confiança. Para isso, é preciso ter em atenção os seguintes comportamentos:

  1. Postura – Quando o entrevistador caminha até nós, devemos levantar-nos e não nos fecharmos sobre nós próprios. Este último comportamento transmite a mensagem de que não estamos confortáveis e não sabemos bem o que estamos a fazer.
  2. Contacto visualEste é o mais importante de todos os comportamentos. Devemos estabelecer contacto visual com o entrevistador ao longo de toda a entrevista.
  3. Altura do queixo – A linha do queixo corresponde à nossa linha de confiança. Se tivermos o queixo muito para cima, passamos uma imagem de arrogância, enquanto que se tivermos o queixo para baixo, ninguém nos vai levar a sério. O nosso queixo deve estar na horizontal ao longo de toda a entrevista, o que também nos ajuda a falar com mais facilidade.
  4. Sorriso – Devemos sorrir ao longo da entrevista de modo a criarmos empatia com o entrevistador.

Como devemos cumprimentar o entrevistador?

As duas formas mais comuns de cumprimentar alguém são através de dois beijos ou através de um aperto de mão.

Ao contrário do que se poderia pensar, os dois beijos não nos irão permitir criar empatia. Estamos, sim, a invadir o espaço privado do entrevistador, o que pode não correr bem. Se o entrevistador não estiver à vontade, irá recuar, e nós seremos vistos como uma ameaça, o que vai dificultar a entrevista.

No entanto, não podemos hesitar e esperar para ver qual vai ser a abordagem do entrevistador, porque isso não irá passar a mensagem de confiança que pretendemos.

O ideal será utilizarmos o aperto de mão. Para transmitirmos confiança, devemos ser os primeiros a estender a mão, enquanto estabelecemos contacto visual com o entrevistador. A mão deve ser estendida na vertical, para não cometermos o erro de ficar com a nossa mão por baixo durante o aperto, o que irá transmitir uma imagem de submissão. Também não queremos colocar a nossa mão por cima, porque não temos como objetivo dominar o entrevistador ou passar uma mensagem de poder. Ao cumprimentarmos o entrevistador com a mão na vertical – não esquecendo de manter o contacto visual – transmitimos a imagem de que devemos ser respeitados.

Caso o entrevistador decida utilizar a abordagem dos dois beijos após já termos estendido a mão, a situação não está perdida. Resolvemos a situação apertando a mão e chegando-nos à frente para cumprimentar com os dois beijos.

 
Como nos devemos comportar dentro da sala de entrevistas?

Independentemente de ser um homem ou mulher a entrevistar-nos, o cavalheirismo fica fora da sala de entrevistas. Como somos nós os convidados na empresa, seremos os primeiros a entrar na sala, e não devemos dizer ao entrevistador para entrar primeiro, pois isso não irá jogar a nosso favor. 

Já dentro da sala, se não soubermos onde nos devemos sentar, devemos perguntar ao entrevistador. Fazer esta pergunta de forma proativa transmite conforto e confiança. Ao sentar devemos manter uma postura com as costas direitas, o que deve acontecer durante toda a entrevista.

Enquanto estamos a ser entrevistados, devemos ter em atenção o seguinte:

  • Não invadir o espaço do entrevistador

Apenas 20% ou 30% da mesa nos pertence, o restante espaço é do entrevistador. Se ultrapassarmos essa percentagem, vamos ser vistos como uma ameaça. Não devemos colocar os cotovelos por cima da mesa, pois esta ação transmite uma mensagem não verbal de posse e cria uma barreira entre nós e o entrevistador.

  • Manter as mãos livres

O pior que podemos fazer com as nossas mãos é entrelaçar os dedos. Para além de criarmos uma barreira entre nós e o entrevistador, limitamos as nossas ferramentas e tendemos a gesticular com os dedos entrelaçados, o que acaba por fazer com que o espaço do entrevistador seja invadido enquanto gesticulamos. 

Ainda em relação às nossas mãos, estas devem estar sempre em cima da mesa, à vista do entrevistador. Se escondermos as nossas mãos, transmitimos a mensagem de que escondemos algo e não estamos a ser totalmente honestos. Se não existir uma mesa e estivermos apenas sentados numa cadeira em frente ao entrevistador, devemos colocar as mãos em cima das pernas e não entre elas, porque esta ação transmite falta de confiança. Também transmitimos falta de confiança se começarmos a esfregar as mãos nas pernas, dando a entender que não queremos estar ali.

  • Não esquecer o contacto visual

Quando somos entrevistados por mais do que um entrevistador, temos tendência a olhar apenas para quem achamos que manda ou apenas para quem nos faz as perguntas. Isto é um erro, porque todos podem ter o poder de decidir se ficamos ou não na empresa. Assim, devemos olhar para quem está à nossa frente, privilegiando quem nos fez a pergunta, mas também, mais pontualmente, direcionar o nosso olhar para os restantes entrevistadores.

Como podemos criar empatia através da nossa mensagem verbal e não verbal?

O objetivo é mostrar que somos parecidos com o entrevistador, porque, enquanto seres humanos, criamos mais empatia com pessoas que são parecidas connosco. Existem três formas de o fazer:

  • Através das palavras

O objetivo é utilizar palavras parecidas às do entrevistador, mas não imitando tudo o que ele diz. Assim, se repararmos que o entrevistador usa várias vezes a mesma palavra, podemos tentar adaptá-la ao nosso discurso, para passarmos a mensagem de que temos a mesma linha de pensamento. Se não nos sentirmos à vontade, não vale a pena utilizarmos esta técnica.

  • Através de adaptações de oralidade

Esta é uma técnica fácil, subtil e útil para criar empatia. Mais uma vez, o objetivo não é imitarmos por completo, mas sim adaptarmos a nossa forma de falar à do entrevistador. Se o entrevistador falar mais alto do que nós normalmente falamos, devemos também falar ligeiramente mais alto; se falar mais baixo, falamos também ligeiramente mais baixo – o mesmo se aplica a falar mais rápido ou mais devagar. 

  • Através da adaptação de postura

Tal como a anterior, esta técnica é simples e útil. Assim, se o entrevistador se inclinar para trás, inclinamo-nos ligeiramente para trás, e o mesmo para a frente. Atenção, não nos inclinamos assim que o entrevistador o fizer, mas sim quando for a nossa vez de falar. Só devemos fazer alterações não verbais, neste caso, de postura, no início de comunicação.

Mostra-te confiante e acredita no teu potencial! Segue estas dicas e garante o teu lugar na empresa onde sempre quiseste trabalhar!

Se queres garantir que consegues comunicar todo o teu valor já na tua próxima entrevista inscreve-te já no nosso Curso Comunicação em Entrevistas!

 

Artigo redigido por: Rita Melo